quarta-feira, 10 de abril de 2013

Chavistas se preparam para cenário em que oposição não reconheça derrota


Candidato da oposição venezuelana se recusou a assinar junto ao órgão eleitoral compromisso com reconhecimento do resultado das urnas. Chavistas divulgam documentos que indicariam movimentação adversária para o não-reconhecimento.

Vinicius Mansur, de Caracas - Venezuela


O principal candidato da oposição venezuelana, Henrique Capriles, se recusou, na última terça-feira (9) a assinar um documento do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) comprometendo-se a reconhecer o resultado da eleição presidencial que acontece no próximo domingo, 14 de abril. Durante toda sua campanha, Capriles disparou diversas críticas ao órgão eleitoral do país, acusando-o de alinhamento ao poder executivo.

Ao invés do compromisso com o CNE, Capriles assinou, durante um ato de campanha transmitido ao vivo pelo canal de televisão Globovisión, um documento que classificou como “compromisso com os venezuelanos”. No texto, o candidato afirma que cumprirá com a Constituição, mas não explicita se reconhecerá o resultado a ser anunciado pelo CNE.
Em uma larga entrevista dada a TV Venevisón na noite desta quarta-feira (10), Capriles afirmou que não poderia assinar um documento proposto por um órgão que faz vistas grossas para as mais de 100 denúncias apresentadas pela oposição. Entre as denúncias, o uso do canal do estado para fazer propaganda oficialista e a coerção de eleitores para votar no chavismo.

Denúncias dos chavistas

Horas antes, o vice-presidente do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) e presidente do Assembleia Nacional,
Diosdado Cabello, apresentou e-mails enviados pelo assessor de Capriles, Armando Briquet, ao especialista em auditorias eleitorais da empresa Esdata, Guillermo Salas. Neles, Briquet trata das ações a serem tomadas caso a oposição resolva não reconhecer o resultado eleitoral.

Cabello também apresentou uma interceptação telefónica, que pode ser escutada aqui - http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=zmejJ91Cl9k - onde um homem apresentado como motorista de Carpiles afirma a um interlocutor não identificado que o resultado eleitoral não será reconhecido em caso de derrota.

O dirigente do PSUV ainda reforçou as denúncias feitas pelo governo desde o último domingo (7) sobre a presença de mercenários de El Salvador na Venezuela. De acordo com o ministro de Relações Exteriores da Venezuela, Elias Jaua, o serviço de inteligência do Estado obteve informações que um grupo ligado ao terrorista Luis Posada Carriles entrou no país, articulado com os setores da oposição com intuito de provocar desestabilizações. O governo ordenou o fechamento das fronteiras. O candidato da oposição taxou de ridículas as acusações.

Temperatura se eleva

Incidentes no sistema de eletricidade no país também contribuem elevam a tensão às vésperas da eleição. Após uma série de apagões registrados em distintas partes do país desde a semana passada, o governo ordenou a presença das Forças Armadas nas estações de energia. Desde então, 17 pessoas foram presas em flagrante, incluindo funcionários da Corporação Elétrica Nacional (Corpoelec), segundo informe do chefe do Comando Estratégico Operacional da Força Armada Nacional Bolivariana, Wilmer Barrientos.

O militar também informou que 22 escolas que funcionarão como centros eleitorais no estado Bolívar, que faz fronteira com o Brasil, amanheceram sem conexão com a rede elétrica. Entretanto, garantiu que todas as medidas já foram tomadas para recupera-las e que os 13.638 centros de votação de todo país serão policiados por cerca de 140 mil homens. Barrientos também afirmou que um operativo especial protegerá a rede de telecomunicações

Também contribuíram para elevar a tensão alguns episódios violentos envolvendo militantes em campanha. Após uma reunião com as Forças Armadas, a presidenta do CNE, Tibisay Lucena, divulgou um comunicado afirmando que o país está preparado para garantir a paz e a democracia e convocou a população a não aderir a provocações. "Só aos aventureiros convém qualquer agressão ao processo. Sá a quem não tem oportunidades pela via eleitoral convém nos agredir", diz a nota.